Artigos

 

11.07.2016

A lógica financista não tirará o país da crise

Por Germano Rigotto


Há sinais positivos, ainda que tímidos, em relação aos movimentos do governo interino na área econômica. De fato, o presidente Michel Temer blindou a equipe de pressões políticas e escolheu nomes técnicos, de reconhecida competência. Todavia, algumas visões parecem persistir. Não se pode imaginar que o Brasil voltará aos trilhos sem enfrentar a alta taxa ....


4.07.2016

Todos querem segurança

Por Germano Rigotto


O orçamento público é um só. As demandas são maiores do que as possibilidades. Sobre esse espaço entre o dinheiro que existe e as necessidades sociais, acontece uma parte importante do debate público. Onde gastar mais e por primeiro? Pois governar é isto: fazer opções. Trata-se de escolher o que é prioritário e urgente. Mas, ....


27.06.2016

Todos perdem com a decisão do Reino Unido

Por Germano Rigotto


As consequências da saída do Reino Unido da União Européia ainda estão em curso. É difícil de avaliar toda a extensão dos efeitos dessa decisão. Só teremos uma noção mais exata durante o transcurso desta e das próximas semanas. Ainda na sexta-feira passada, por exemplo, a Libra caiu em 10%, atingindo o menor índice desde ....


20.06.2016

Comércio internacional: em busca do tempo perdido

Por Germano Rigotto


Um dos maiores erros cometidos nos últimos anos, na gestão da macroeconomia brasileira, foi o apequenamento do país frente ao comércio internacional. A maioria das decisões tomadas na área, infelizmente, foi conduzida por critérios que não priorizavam os benefícios comerciais. A opção foi emparceirar com países politicamente alinhados, dando mais importância para a....


13.06.2016

Um novo paradigma de transparência e controle

Por Germano Rigotto


Não há nada mais moderno, no ambiente da administração pública, do que a transparência. As manifestações populares que começaram em 2013 exigiram essa atualização. É preciso encontrar um novo paradigma sobre o comportamento dos governos e dos governantes nesse sentido. Isso implica também aumentar e qualificar as ferramentas e as instituições de controle. É verdade ....


6.06.2016

Os municípios e uma nova lógica federativa

Por Germano Rigotto


Começo este artigo convidando ao leitor para um exercício de lógica. Um município próspero social e economicamente, gerador de impostos e com grande capacidade produtiva decide fazer alguns poucos quilômetros de asfalto e ampliar o número de creches para crianças. O prefeito, porém, para conseguir dinheiro com essa finalidade, precisará comprar passagem com destino a ....


30.05.2016

Temer perante a contradição da pressa

Por Germano Rigotto


Tenho falado sobre o pouco tempo que o governo Temer possui para gerar um clima de confiança política e econômica no país. Por enquanto, a desconfiança segue sendo majoritária no sentimento das pessoas. Na área da economia, apesar da positiva aprovação de uma nova meta fiscal pelo Congresso, a equipe econômica ainda não teve tempo ....


23.05.2016

A falência do sistema e seus exemplos

Por Germano Rigotto


Preciso voltar a um assunto que tem sido recorrente em meus últimos artigos: o nosso presidencialismo de coalizão. Ocorre que, tanto o afastamento de Dilma quanto os primeiros dias de Temer, são fartos em exemplos de quão contraditório e ultrapassado é o sistema de governo do Brasil. O presidencialismo, por si só, está em desuso ....


16.05.2016

Economia: muitos desafios, pouco tempo

Por Germano Rigotto


Os desafios econômicos são muitos, e o governo Temer tem pouco tempo para enfrentá-los. Alguns casos dependem de mera sinalização. Outros ajustes, no entanto, são estruturais e levarão mais tempo para acontecer. Demandam estudos profundos, planejamento e negociações com os setores envolvidos. Em todos os casos, se faz necessário um alinhamento orgânico com o campo ....


9.05.2016

Presidencialismo de coalizão, uma fábrica de contradições

Por Germano Rigotto


Dois dos principais elementos da política são as pessoas e as regras institucionais. A qualidade da democracia de um país passa por essas dinâmicas. No caso do Brasil, os sucessivos escândalos de corrupção são indesculpáveis sob qualquer ponto de vista. A origem dos desvios é deliberada. A conduta antiética ocorreu porque pessoas optaram por ela. ....