Artigos

 

22.05.2017

Ruínas expostas. E caminhos necessários

Por Germano Rigotto


Os últimos dias tiveram tantos episódios, e de tal modo intensos, que fica difícil escolher um ângulo de abordagem. Além disso, tudo leva a crer que, nas próximas semanas, ainda teremos mares muito revoltos pela frente. A menos que se interprete com precipitação, o que costumam fazer apenas os partidaristas mais radicais, não é possível ....


15.05.2017

A safra puxa o país

Por Germano Rigotto


A safra deste ano é impressionante inclusive em seus números. Vamos atentar para alguns deles. As últimas projeções apontam que a colheita de cereais, leguminosas e oleaginosas deve alcançar 233,1 milhões de toneladas, o que representa 26,2% a mais do que o resultado do ano passado. A estimativa da área a ser colhida é de ....


8.05.2017

Aos estados o que é dos estados

Por Germano Rigotto


A situação dos estados brasileiros chegou a tamanha insustentabilidade financeira, em primeiro lugar, por problemas de gestão. Essa culpa não pode ser terceirizada. Enquanto algumas gestões agiram com responsabilidade fiscal, outras tantas, independente da vertente partidária, descuidaram do equilíbrio das contas, aumentaram os gastos sem receitas correspondentes e permitiram o....


2.05.2017

Protestar é democrático. Mas reformar é preciso

Por Germano Rigotto


A greve geral ocorrida na última sexta-feira, embora contestada politicamente, é no mínimo compreensível – e deve ser respeitada. O descrédito da classe política, a má avaliação do governo, o alto índice de desemprego, as denúncias de corrupção e as reformas mal comunicadas deram caldo suficiente para as manifestações comandadas pelos sindicatos. É do jogo ....


24.04.2017

Guerra fiscal: pelo fim de uma disputa sem sentido

Por Germano Rigotto


A guerra fiscal é uma contradição em si mesma. Ora, existir uma disputa de ordem fiscal, no ambiente interno de uma federação, entre alguns de seus membros, é uma clara discrepância. O conjunto dá sentido a uma nação federada; não poderiam as atitudes individuais, pois, sobreporem-se ao interesse coletivo. Trata-se de um jogo de perde ....


17.04.2017

Como mudar estruturalmente a Constituição?

Por Germano Rigotto


Vamos olhar para o que aconteceu no Brasil, em termos de processos sociais e institucionais, nos últimos anos. As manifestações de rua, a partir de 2013, flagraram um enorme hiato entre a opinião pública e as suas representações de poder, em suas diferentes nuances. Por mais que os protestos fossem contra os governos do PT, ....


10.04.2017

Absurdos a mudar (foro privilegiado). E outros que não podem nascer (voto em lista)

Por Germano Rigotto


Fases de crise, questionamento e transição, como esta que estamos vivendo, são terrenos férteis para mudanças. Todavia, nem sempre os ajustes podem ser tão alvissareiros quanto se desejava. Ocorre que, diante da passionalidade e da pressão da opinião pública, é comum que casas legislativas cometam grandes equívocos. Medidas conjunturalmente populares podem transformar-se em....


3.04.2017

Contas públicas: entre erros e acertos

Por Germano Rigotto


Nenhuma economia se sustenta sem confiança. E não há confiança que resista sem responsabilidade fiscal. Mexer nessa dinâmica, mudando do círculo vicioso para o virtuoso, é o primeiro passo para qualquer estratégia de recuperação de um país. Não se faz gestão da economia com desordem, empirismo e populismo. O acerto do atual governo, nesse ponto, ....


27.03.2017

Concessões de aeroportos: caminho a seguir

Por Germano Rigotto


Há diversos fatores que promovem a dinâmica do investimento. Em termos macroeconômicos, o principal deles é a confiança. O Brasil, aos poucos, recupera esse atributo. E, imediatamente, é possível perceber uma movimentação, mesmo que incipiente, de canalização de recursos privados para o país. A fórmula é simples: se o investidor confia que um negócio dará ....


20.03.2017

Reforma política: qual, quando e como

Por Germano Rigotto


Nenhuma reforma política motivada por interesse momentâneo, específico ou circunstancial pode prosperar. Se esse for o sentido dos últimos movimentos ocorridos em Brasília, é certo que os formadores de opinião, a imprensa e a população se erguerão contrariamente. Não há dúvida de que o atual modelo está esgotado, isso é praticamente um consenso na sociedade ....